Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

from my orchid kitchen

ideias simples e caseiras para (quase) todos os gostos, da minha cozinha para a vossa

from my orchid kitchen

ideias simples e caseiras para (quase) todos os gostos, da minha cozinha para a vossa

Ter | 24.12.19

ALETRIA CREMOSA

Sobremesa clássica de Natal, esta aletria é fácil de preparar e deliciosamente cremosa, com textura e doçura perfeitas.

(click here for recipe in english)

aletriacremosa-creamycapellini_1.jpg

Cá em casa já experimentamos, ao longo dos tempos, várias receitas de aletria mas esta é a que mais vezes é servida à mesa de Natal.  

Durante muitos anos e até aos meados dos anos 90, por esta altura, a minha avó fazia a sua receita de aletria mas  esta tinha uma consistência que dava para cortar em cubos. No entanto, desde que arranjou esta receita que creio ter visto alguém fazer num programa de TV na altura, todas as outras foram preteridas.

 

O ideal para mim é servi-la morna acabadinha de fazer, mas mesmo confeccionando-a atempadamente a sua cremosidade mantém-se (mas menos do que quando é saboreada "na hora").

aletriacremosa-creamycapellini_5.jpg

Receita de Aletria cremosa

Aletria de Natal

para notas sobre a receita ler mais abaixo

ingredientes

140 gr de aletria

1 litro de leite

100 gr de açúcar

4 gemas

1 pau de canela

2 tiras de casca de limão

20 gr de manteiga

Pitada de sal

Canela em pó (para decorar)

 

preparação

Num tacho, leva-se o leite a ferver juntamente com o açúcar, a canela, a manteiga, o sal e as cascas do limão.

Retira-se para uma tigela ou taça, 2 ou 3 colheres de sopa de leite quente.

Batem-se as gemas e junta-se-lhes lentamente o leite quente da tigela, para que não talhem depois ao juntar ao tacho.

Quando o leite do tacho levantar fervura, acrescenta-se a aletria e deixa-se cozer durante 7 minutos.

Retira-se do lume e mexendo sempre devagar, adiciona-se a mistura das gemas.

Deita-se numa travessa, deixa-se arrefecer um pouco e decora-se com a canela em pó.

 

Originalmente publicado em 2012

 

Os Ingredientes

 

Tal como em muitas receitas da doçaria tradicional portuguesa, todos os componentes desta aletria são simples e fáceis de encontrar:

  • Massa aletria - existem 2 tipos de aletria à venda, a que se apresenta em meadas e a que já vem partida em pacote; eu já experimentei ambas as versões e prefiro a que vem em porções.
  • Açúcar - esta receita não é excessivamente doce (cerca de 5 colheres de sopa) até porque nesta época há muitos outros doces a saborear.
  • Casca de limão e pau de canela - são os 2 ingredientes aromáticos obrigatórios que estão presentes em muitas outras receitas natalícias.
  • Leite - há quem use leite gordo, que vai dar mais cremosidade à aletria, mas geralmente uso leite meio-gordo (de preferência biológico). Quem quiser pode optar por um leite vegetal à escolha, sendo que destes sugiro o de amêndoa ou de aveia.
  • Manteiga - apesar de todas as receitas que conheço levarem manteiga, nenhuma usa tão pouca como esta, apenas 20 gr que é o equivalente a 2 cubos de manteiga.
  • Gemas de ovo - tal como a manteiga, também esta receita tem pouca quantidade de gemas comparativamente a muitas outras aletrias, apenas 4 (e não desperdicem as claras, ponham-nas numa caixa e congelem para depois usar em futuras receitas!)
  • Canela em pó - ingrediente essencial para finalizar a receita, pois nenhuma aletria vai à mesa sem estar devidamente decorada com canela.

aletriacremosa-creamycapellini_2.jpg

Modo de preparação

 

  • Usando um descascador ou uma faca pequena bem afiada, retiram-se a um limão 2 tiras da casca e fazem-se uns pequenos cortes superficiais para que libertem mais aroma (através dos óleos naturais presentes na casca).
  • Colocam-se num tacho: o açúcar, o pau de canela, as 2 tiras de casca de limão, a manteiga, o sal e por fim o leite. Eu pessoalmente gosto que o leite aqueça bem devagar para que haja uma infusão do limão e da canela e estes sabores fiquem mais intensos.
  • Numa taça, colocam-se as 4 gemas que depois de ligeiramente batidas, é-lhes adicionado um pouco do leite do tacho (ainda morno) para que mais tarde não talhem ao juntar à aletria.
  • Quando o leite levantar fervura, coloca-se a massa de aletria e deixa-se cozer, mexendo de vez em quando, durante 7 minutos.
  • Passado esse tempo, retira-se do lume e acrescenta-se a mistura de gemas e leite, mexendo sempre para que fique tudo homogéneo e cremoso.
  • Verte-se o conteúdo do tacho para a travessa (ou então para pratos, se forem servir doses individuais) alisando um pouco a superfície e deixa-se arrefecer, e decora-se a gosto com a canela em pó.

Para decorar com a canela por altura das Festas, costumo criar desenhos e letras no computador, imprimo para papel e depois de recortar cuidadosamente com um x-acto, uso a técnica de stencil, polvilhando com a canela por cima só após a aletria ter arrefecido, para que o papel não cole ao pousarmos em cima da massa.

 

 

 

Obrigado pela visita

Não se esqueça de SUBSCREVER para receber cada post directamente no seu e-mail.

 

Siga o blog 

FACEBOOK  |  PINTEREST  |  INSTAGRAM

 

Qua | 18.12.19

OS DIFERENTES TIPOS DE CANELA

A canela é um dos condimentos em que é raro encontrar alguém que não goste. Uns mais, outros menos, mas é sem dúvida um dos sabores mais presentes nas épocas de Outono e Inverno.

joanna-kosinska-ZEoxFnHu-1A-unsplash(1)-min.jpg

Provavelmente, estão neste momento a pensar que os diferentes tipos de canela a que me refiro são a canela em pó e a canela em pau...

Na realidade, quero-vos falar das 5 variedades de canela que existem no Mundo:

  • cássia
  • ceilão
  • saigão  (Vietnam)
  • korintje  (Indonésia)
  • malabar  (Índia)

 

As três últimas variedades não são comuns de se encontrar à venda (salvo nas suas áreas geográficas, é claro), e por cá o mercado é dominado pela canela de Cássia. Já a canela de Ceilão geralmente conseguimos adquirir em lojas de produtos naturais ou em algumas secções bio de supermercados.

 

São ambas colhidas em camadas encontradas sob a casca de árvores que pertencem à mesma família científica, mas produzem produtos distintos. Os dois tipos de canela diferenciam-se pela maneira como são colhidas, pelo sabor, pelo cheiro e pelos compostos químicos encontrados nelas.
 
 
A maior parte da Europa usou durante séculos a canela de Ceilão principalmente porque este foi o primeiro tempero que os exploradores europeus (portugueses, holandeses e britânicos) trouxeram de volta das suas conquistas no Ceilão (Sri Lanka).
 

02.jpg

Mas, por causa do processo manual artesanal necessário para colher e enrolar em várias camadas finas a canela de Ceilão, a de Cássia que é de produção mais barata,  passou a dominar o mercado até aos dias de hoje.
 
 
 

CANELA DE CÁSSIA

Cinnamomum cassia

 

CANELA DE CEILÃO

Cinnamomum verum

763685.jpg

 

BTI39290_fmt-768x473.jpg

Paus de canela são muito duros, ocos e têm apenas uma camada enrolada.

 

 

Paus de canela são macios, quebradiços e com várias camadas finas enroladas.

 

O pó de canela tem coloração castanha intensa.

 

 

O pó de canela tem coloração castanha clara.

 

Tem sabor mais intenso e ligeiramente picante. 

 

 

Tem sabor mais leve e doce.

 

Originária do sul da China e cultivada também na Índia, Indonésia, Laos, Malásia, Taiwan, Tailândia e Vietname.

 

Originária do Sri Lanka.

 

Grande quantidade de cumarina, que possui efeito anticoagulante (o sangue fica mais fino) e pode danificar o fígado se consumido em grandes quantidades (acima de 1 colher de chá por dia)

 

Muito baixa quantidade de cumarina. Estudos indicam que uma colher de chá por dia reduz significativamente o açúcar no sangue e melhora a taxa de colesterol (LDL e triglicerídeos).

 

Como uso bastante canela (diariamente), compro das duas variedades em pó e misturo-as num frasco na proporção de 3 partes de canela de Ceilão, para 1 parte de canela de Cássia.

A razão porque misturo as duas é simplesmente porque a de Cássia é mais aromática (principalmente no que toca àquelas sobremesas em que usamos a canela para polvilhar por cima), obtendo ao mesmo tempo os benefícios da canela de Ceilão.

 

Espero que sejam, tal como eu, fãs desta especiaria pois vão poder ver muitas receitas aqui no blog com este ingrediente.

 

 

Obrigado pela visita

Não se esqueça de SUBSCREVER para receber cada post directamente no seu e-mail.

 

Siga o blog 

FACEBOOK  |  PINTEREST  |  INSTAGRAM

 
Sab | 14.12.19

BOLACHAS DE MANTEIGA DE AMÊNDOA COM PEPITAS DE CHOCOLATE

Para aqueles que adoram experimentar bolachas diferentes e saudáveis, esta é uma opção sem glúten e que usa uma gordura alternativa, mas bastante saborosa.

(click here for recipe in english)

bolachas-manteiga-amendoa-pepitas-almond-butter-co

Cá em casa tem de haver sempre bolachas para acompanhar o café, e gostamos de ir variando, por isso volta e meia acrescento mais uma receita a experimentar, como é o caso desta bolachinhas sem glúten. Também podem ser vegan e paleo, se optarem por usar leite vegetal.

 

Receita de Bolachas de manteiga de amêndoa

com pepitas de chocolate

para notas sobre a receita ler mais abaixo

 

ingredientes

125 gr de manteiga de amêndoa

40 gr de açúcar de côco, ou mascavado

8 gr de amido de milho

2 colheres (sopa) de leite

1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio

1/2 colher (chá) de baunilha

30 gr de pepitas de chocolate

Pitada de sal

 

preparação

Numa taça misturar a manteiga de amêndoa, o leite e a baunilha, e misturar bem.

De seguida acrescenta-se o açúcar, e mexe-se até dissolver.

Adicionam-se o bicarbonato de sódio e o amido de milho, e também uma pitada de sal.

Em último, adicionam-se as pepitas de chocolate.

Leva-se o preparado ao frigorífico, no mínimo durante 15 minutos, para que a mistura fique mais consistente (é opcional, mas ajuda ao moldar as bolachas).

Divide-se o preparado em cerca de 20 unidades.

Moldam-se em pequenas bolas e distribuem-se por 2 tabuleiros (10 unidades por tabuleiro) forrados com papel vegetal.

Levam-se ao forno a 175ºC entre 12 a 15 minutos.

 

Adaptado de "Crispy Chocolate Chip Cookies"

bolachas-manteiga-amendoa-pepitas-almond-butter-co

 

Os Ingredientes

 

  • Manteiga de amêndoa - é o que vai unir todos os outros ingredientes e fornecer a gordura necessária para a textura e formato final. A manteiga de amêndoa (ou almond butter) não é mais do que amêndoas trituradas durante um certo período de tempo, até se transformarem num creme e libertarem toda a sua gordura natural. Recomendo que se use uma manteiga de amêndoa (usei esta) que tenha uma cremosidade mais leve e fluida, porque há variedades que são mais espessas, e que podem produzir um resultado final diferente. Pode ser substituída por manteiga de cajú, ou manteiga de amendoim (mas neste caso, o sabor pode ser bastante intenso dada a quantidade usada).
  • Açúcar de côco - juntamente com a manteiga de amêndoa, vai dar o tom quase de chocolate a estas bolachas, sem serem demasiado doces. Pode ser usado o açúcar mascavado escuro como segunda opção (que foi o que aconteceu comigo, pois na altura não tinha açúcar de côco na despensa...).
  • Amido de milho - a sua função é também permitir ligação entre os diversos ingredientes e ajudar a dar uma textura ligeiramente crocante às bolachas.
  • Leite - pode-se usar de origem animal ou vegetal; usei leite de amêndoa sem açúcar.
  • Bicarbonato de sódio - para que as bolachas não fiquem demasiado duras.
  • Baunilha e Pepitas de chocolate - dois ingredientes opcionais, mas que vão dar um sabor extra a estas bolachas.

 

Modo de preparação

 

  • Estas bolachas de manteiga de amêndoa são muito simples de preparar, e ainda mais simples se utilizarmos um robot de cozinha ou processador de alimentos para poder misturar bem e mais rapidamente todos os ingredientes.
  • Se misturarmos segundo o processo tradicional, começamos por juntar numa taça os ingredientes húmidos: a manteiga de amêndoa com o leite e a baunilha, e envolver até ficar uma mistura homogénea. De seguida acrescenta-se o açúcar, e mexe-se até dissolver.
  • Envolve-se o bicarbonato de sódio e o amido de milho, e acrescenta-se uma pitada de sal. Por fim, adicionam-se as pepitas de chocolate.
  • Coloca-se o preparado no frigorífico, no mínimo durante 15 minutos, para que a mistura fique um pouco mais consistente (este passo não é de todo obrigatório, mas ajuda na fase seguinte ao moldar as bolachas).
  • Com a ajuda de uma colher, divide-se o preparado em cerca de 20 montinhos.
  • Humedecendo-se as mãos com água (para que sejam mais fáceis de manusear) moldam-se os montinhos em pequenas bolas do tamanho de cerejas, e distribuem-se por 2 tabuleiros (10 unidades por tabuleiro) forrados com papel vegetal, e levam-se ao forno a 175ºC entre 12 a 15 minutos.
  • Como não quis que fossem muito grandes de tamanho, ao dividir por 20 tive como resultado bolachas com cerca de 5 cm de diâmetro.

bolachas-manteiga-amendoa-pepitas-almond-butter-co

 

 

 

Obrigado pela visita

Não se esqueça de SUBSCREVER para receber cada post directamente no seu e-mail.

 

Siga o blog 

FACEBOOK  |  PINTEREST  |  INSTAGRAM